Páginas

sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

IMAGEM

.

A cada manhã
vejo no espelho
um rosto desconhecido
que acorda envelhecido,
sobre a vaidade
cronologicamente póstuma.
Pedaços disfarçados
num rebuscado penteado que se desfaz,
sistemicamente em queda.
Preza-se o pó, a água e o sabão
na limpeza da carne lisa e brilhosa.
Resseca no frio,
queima ao sol,
mancha
e escurece abaixo dos olhos.
Há dedicação, custo e colateralidade,
mas no espelho,
vê-se a mesma imagem.

.

5 comentários:

Kazahn disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Lôrá disse...

amo muito tudo isso
meu orgulho

Fenrisar disse...

See Here or Here

Akinogal disse...

This comment has been removed because it linked to malicious content. Learn more.

Dumuro disse...

See here or here