Páginas

domingo, 6 de março de 2016

15/01

Livre gesto atuar
Inconsciente do que viria então

Fosse meu o destino
Criava essa sensação
Verdade incumbida de se tornar

Minha tola necessidade
Paira desconcertante razão
Mentirosa certeza do nada

Quieto forjo um ser
Desconhecido de sua própria identidade
Sou eu quem deve ceder

quarta-feira, 26 de março de 2014

LAVA

Deixo passar o passado, passando pesado anos a fio. Como água, como ponte quebrada pra quem encontra outro caminho. Umas horas sinto falta, outras vezes impossível lembrar o que sinto. Muito, sinto muito ter vivido tudo isso. Intenso, usado momento promíscuo. Nem era, era bem vivido. Escorria o tempo jovem entre meus dedos, mas nada restou. Pouco  ficou  depois de você, tudo mais reinventei.

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

TOMADA

A gente não corta, não edita, deixa rolar a película, sem roteiro, sem direção. Atua, interpreta, repassa a cena, ela jamais é igual. Muda, silenciosa, cheia de efeitos, de fãs. Duas horas de cinema, mil anos em uma sala escura de projeção. Não demora, jamais se interrompe em continuidade, sem fim. Enredo que se conta em dramas, suspenses, comédias e ficções. Ninguém sabe o final, mas todos choram no fim. No fim, sobem os créditos e lá estão só os nomes mais importantes. Tomada, cena 1, voltamos ao começo, o filme nunca acaba, a vida nunca tem fim.

domingo, 24 de novembro de 2013

NÓ DA GARGANTA

Fecha a boca, fecha o bico, faça bem feito.
Ande na linha, de cabeça erguida, durma cedo.
Chegue no horário, não diga bom dia, almoce correndo.
Sorria, não chore, não cuspa tudo.
Negue, deixe pra trás, olhe sempre adiante.
Não tem fim, não dá pra jogar pela janela, são muitos os tolos que te bloqueiam.

terça-feira, 29 de outubro de 2013

FALSO POETA


não sou uma só leitura
não sou poeta de autorias
não sou autor de poesias
não sou homem de meias verdades
não sou mulher e isso é mentira
não sou hétero como de costume
não sou bi como os que são por aí
não sou falso canalha
não sou fácil alternativa
não sou santo com todo mundo
não sou puto todo dia
não sou político da semana
não sou ladrão da pracinha
não sou próximo da família
não sou distante de quem amo
não sou puro sangue
não sou páreo duro
não sou bunda mole
não sou pau firme na segunda
não sou indiscreto quando preciso
não sou inseguro quando posso
não sou isso tudo
não quero ser
não serei outro

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

CONTACT

"Hey Bob I'm looking at what Jack was talking about and it's definitely not a particle that's nearby. It is a bright object and it's obviously rotating because it's flashing, it's way out in the distance, certainly rotating in a very rhythmic fashion because the flashes come around almost on time. As we look back at the earth it's up at about 11 o'clock, about maybe ten or twelve diameters. I don't know whether that does you any good, but there's something out there."

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

TODA BARBA





























enrosca e enobrece a boca amarga
e enquanto afaga a mundana
paixão de hominídio
deixa o macho sem princípio
feito o galã da estação errada
de bem aparados pelos
que sem nenhum fio pro lado contrário
perdeu o status de gente careta

segunda-feira, 8 de julho de 2013

LIVROS

Tenho vergonha dos livros que não li, assim como teria vergonha de possuí-los como artigo de coleção, adquirindo volumes como peças frívolas de guarda-roupa, ou principalmente vê-los virar pilha de papel decorativo utilizado como pé de uma mesa. Não pela vergonha, mas pelo orgulho de tê-los lido, mantenho os que posso, enquanto posso, os poucos que tenho guardados comigo.

segunda-feira, 6 de maio de 2013

SAPATOS SUJOS

Nunca impecáveis, não mais que o restante do armário, diferente porque parece estar menos limpo e cheiroso, quem sabe, um típico equilíbrio inconsciente, coisa de comportamento, uma falha de caráter pra mascarar um pedido de desculpas sem se colocar no mesmo nível de um mundo pisoteado pela ignorância e pela falta da decente humildade.

domingo, 28 de abril de 2013

O DIA POR INTEIRO

Amanhecer quando cotidiano,
ainda que profano seja o modo de viver,
é menos turvo do que passar noites em claro
levando a vida pro buraco.

Gosto do efêmero controle
de pensar neste exato momento,
que a caretice é de verdade,
meu mais sábio argumento.

terça-feira, 16 de abril de 2013

AOS DESAFETOS

essa tua cara lavada
olhar trucado, um truque
chora, reclama, mas não desabafa
não sabe, não tenta abrir
soltar amarras que deixam o mal sair

mina tudo à sua volta
pela falta de alegria
por uma simples ironia
que não tem qualquer fundamento,
mas se entristesse lamentando o próprio viver

eu, sem paciência
suporto, aguento um tanto,
mas dessa gargalhada
desajustada não deixo passar
e temendo rancor, engulo,
pra na tua cara não estourar